Educação   01/02/2018 | 09h41     Atualizado em 01/02/2018 | 14h45

FacebookTwitterPinterestGoogle+LinkedIn

Edital da prefeitura de São Marcos para contratação de professores de história e matemática gera protesto

Em São Marcos, professor de história teria sido aprovado em concurso em 2013, mas não foi chamado pela Secretaria Municipal de Educação. Coordenadora diz que contrato é para substituição por período temporário

Secretaria de Educação justifica que contratação é para vaga temporária: ’Não há vaga real, por isso não foi chamado’
Secretaria de Educação justifica que contratação é para vaga temporária: ’Não há vaga real, por isso não foi chamado’

Nesta quarta-feira, 31 de janeiro, o Jornal L’Attualità divulgou a abertura de edital para contratação de professores para a rede municipal, lançado pela Secretaria de Educação de São Marcos. As vagas para professores de matemática e história estariam abertas para atender a três escolas (Antônio Pessini, Demétrio Moreira da Luz e Dom José Baréa), devido à falta de professores aprovados em concurso. Porém, após a publicação, o L’Attualità recebeu reclamação de uma professora, informando que a prefeitura teria realizado concurso, mas não chamou os aprovados. "Meu filho foi o único a passar no concurso de história. Deixaram expirar o prazo de chamada para quatro dias depois abrir o contrato", criticou a são-marquense. Ela complementa, ressaltando que o aprovado deveria ter sido chamado, havendo conhecimento sobre a possível abertura de vagas em 2017. "A secretária estava sabendo desde novembro que essa vaga abriria, e a partir do momento que abre uma vaga, por direito seria dele. Mas abriram outro processo. E logo mais terá que abrir novo concurso para a mesma vaga", destaca.

 

Diante da reclamação, o L’Attualità entrou em contato com a Secretaria Municipal de Educação, sendo informado de que o concurso realizado em 2013 buscava suprir cadastro reserva, o concurso foi homologado em 2014, e valia até 19 de janeiro de 2018. "O concurso era cadastro reserva de história. Geralmente, quando se faz concurso, há no edital que é para uma vaga, duas vagas ou cadastro reserva. O cadastro reserva é usado se houver necessidade. Exemplo: quando uma pessoa se aposenta ou se exonera. Não havia vaga real, por isso não foi chamado", explica Graziela Zatta, coordenadora pedagógica da Secretaria de Educação, justificando a necessidade de professores neste ano. "Na contratação de agora a vaga não é real, uma profe de história aceitou o convite de direção em dezembro, mas só assume agora a direção. Não  tinha como nomear se a mesma estava ainda no quadro de professores. O contrato é para substituir temporariamente", ressalta. Graziela informou que a validade do concurso expirou em 20 de janeiro e o professor aprovado teria que ser nomeado 30 dias antes, ou seja, ainda no mês de dezembro.