Política   04/05/2018 | 17h29     Atualizado em 07/05/2018 | 19h07

FacebookTwitterPinterestGoogle+LinkedIn

Deputado Catarina Paladini (PSB) visita São Marcos e reforça apoio a Kuwer e a secretário de Assistência Social Vinícius Pedroso

São-marquense José do Samu concorrerá a deputado federal e Catarina tenta se reeleger na Assembleia. Partido ainda não definiu candidatos e adiou reunião do diretório. Tendência é lançar Joaquim Barbosa presidente e apoiar reeleição de Sartori no RS

Deputado Catarina Paladini esteve em São Marcos no dia 3 de maio, reforçando apoio a novo secretário Vini e ao prefeito Kuwer
Deputado Catarina Paladini esteve em São Marcos no dia 3 de maio, reforçando apoio a novo secretário Vini e ao prefeito Kuwer
Foto: Angelo Batecini

 O deputado estadual Catarina Paladini (PSB) esteve em São Marcos na última quinta-feira (3). O parlamentar, que é filho de caminhoneiro e foi o autor da Lei que tornou São Marcos a capital gaúcha dos caminhoneiros e que inseriu a Festa de Aparecida e dos Motoristas no calendário oficial de eventos do Rio Grande do Sul, passou pelo município no retorno a Porto Alegre, após participar de audiência em Vacaria para tratar da situação do presídio regional. Ele esteve na Secretaria Municipal de Assistência Social, conversando com seu correligionário Vinícius Pedroso, nomeado por Kuwer para a pasta que era ocupada por Aparecida Libardi Boff (MDB). "Fui secretário dessa pasta e me coloquei à disposição do Vini, reafirmando meu compromisso de ajudar São Marcos. Fui secretário estadual de Trabalho e Desenvolvimento Social por dois anos no governo Sartori e sei o quanto é importante esse setor, que também está relacionado com a saúde e segurança. Então fui ali reafirmar meu compromisso com o município e também para ajudar a eleger algumas pautas prioritárias dessa área", afirmou.

Catarina destacou a importância do novo secretário "mapear a realidade local". "Tem que ver quais são e quantas são as famílias assistidas e de que forma atender. O grande papel é estratificar e saber quem são os mais vulneráveis e os que estão em processo de emancipação, pois esse é o papel da assistência: o poder púbico deve ser solidário e emancipar os indivíduos", ponderou. O deputado lembrou da importância do setor num momento em que o país está com 14 milhões de desempregados. "Mesmo em São Marcos, que tem oportunidades de trabalho, precisamos estar organizados e prontos para atender a demanda. Fiquei muito feliz quem essa área esteja nas mãos do PSB e torço para que um jovem como o Vini consiga imprimir sua marca na Assistência", comentou.

Sobre o encontro com Kuwer, Catarina disse que está à disposição para auxiliar o prefeito de São Marcos em suas demandas estaduais. "O PSB ocupa duas secretarias estaduais que têm ligação íntima com São Marcos: a de Desenvolvimento Rural, que cuida da Agricultura Familiar, e a de Obras, que tem vinculada a Corsan, responsável pelo abastecimento e saneamento em São Marcos. Então reafirmei a ele meu desejo de contribuir com São Marcos, pois o período eleitoral não pode interromper a execução de serviços", assinalou o deputado.

´Sou pré-candidato a deputado estadual e o José do Samu, que concorre a federal, será o porta-voz do PSB em São Marcos’

Outro objetivo do deputado Catarina Paldini (PSB) em São Marcos é fazer um trabalho que permita melhorar sua votação no município. Em 2014 ele fez 83 votos e foi o 22º mais votado. Aos 35 anos, José Antônio Junior Frozza Paladini espera não só melhorar sua votação no município, como em todo o Estado, pois em 2014 não conseguiu se eleger e entrou como suplente. "Sou pré-candidato a deputado estadual e espero fazer desta eleição a oportunidade de começar uma travessia para deputado federal", comentou, revelando que pretende se candidatar ao Congresso Nacional em 2022. Ele destacou que no município fará dobradinha com o vereador José do Samu, que será candidato a deputado federal pelo PSB de São Marcos. "O José do Samu é nosso pré-candidato a deputado federal. Ele cumpre um papel importante para a construção de uma nominata forte e também para trabalhar pela candidatura do Joaquim Barbosa: será o porta voz do PSB em São Marcos em nosso projeto nacional", afirmou, destacando que o PSB também terá candidatos a deputado em Caxias do Sul, mas que em Vacaria a situação ainda está indefinida. "Com o José São Marcos colabora para essa renovação na política que é tão necessária", comentou.

Em sua avaliação, a eleição deste ano tem um caráter atípico, tendo em vista o processo de combate à corrupção e transparência em vigor na sociedade. "As pessoas precisam voltar a acreditar na política e iniciar um novo ciclo e a provável candidatura do Joaquim Barbosa a presidente vem ao encontro a essa ideia. De certa forma ele dá continuidade à proposta de renovação que apresentamos em 2014, quando aquele acidente aéreo de 13 de agosto vitimou o Eduardo Campos. E neste ano novamente o partido apresenta um nome viável, pois o Joaquim Barbosa é um grande cidadão brasileiro. Ele não vem da política, mas tem seu nome ligado ao Mensalão, que teve 40 pessoas indiciadas. Saiu do STF e poderia ficar aproveitando sua aposentadoria, mas optou em ingressar na disputa política", avaliou, dando como certa a candidatura de Barbosa. "Nenhuma pessoa iria se filiar no último dia se não pensasse em concorrer. Ainda mais que sem fazer nenhuma campanha ele já aparece com 11% das intenções de voto, a frente de dois pré-candidatos que estão se empenhando, como o Gerlado Alkimn (PSDB), que largou o governo de São Paulo e já está em pré-campanha, e o Ciro Gomes (PDT), que está há um ano em caravana anunciando sua candidatura. Então a probabilidade de o Joaquim se tornar candidato é grande e o PSB precisa dar tranquilidade a ele, viabilizando sua candidatura", ponderou, ressaltando que a candidatura de Barbosa resolveria o impasse criado pelas várias correntes que atuam no PSB, com o partido apoiando o MDB no Rio Grande do Sul, o PSDB em São Paulo, o PT em Pernambuco e o PDT na Paraíba. "Para sair dessa crise política e institucional o Brasil precisa de um presidente eleito e com legitimidade e o Barbosa possui esses atributos", ponderou.

Em relação ao governo do Estado, Catarina disse que a tendência é o PSB apoiar a reeleição de Sartori (MDB). "O bom senso levaria naturalmente a isso, pois estamos no governo desde o início", comentou. Em seu ponto de vista o perfil de Sartori se assemelha ao de Barbosa. "O Sarotri, apesar das críticas a sua gestão, tem perfil semelhante a Joaquim em termos de honestidade e retidão", apontou, salientando que ainda há muitas indefinições dentro do PSB, sobretudo com relação a quem será o candidato ao senado: Beto Albuquerque ou José Fortunatti, ex-prefeito de Porto Alegre que se filiou neste ano ao PSB, deixando o PDT. "O ex-prefeito Fortunatti veio definido em ser candidato ao Senado e também tem o Beto, que foi candidato na última eleição e demonstra interesse. Mas temos consciência do nosso tamanho e, apesar dos bons nomes que temos, sabemos que não é viável ter duas candidaturas e ganhar, pois o RS terá candidatos fortes ao Senado neste ano, com a Ana Amélia Lemos (PP) e o Paulo Paim (PT), além da possibilidade do Rigotto pelo MDB", citou. Pelo que disse, foram essas indefinições internas que fizeram o PSB adiar a reunião do diretório estadual marcada para esse dia 5 de maio, quando partido pretendia definir sua posição no pleito estadual e indicar o nome do candidato ao Senado. Mas comunicado divulgado em 2 de maio pela direção estadual informou aos filiados a transferência da reunião em função das "muitas indefinições" nos cenários eleitorais do país e do Estado. A nova data será divulgada após a reunião da executiva que ocorre neste dia 7.