Saúde   03/07/2018 | 10h10     Atualizado em 03/07/2018 | 14h53

FacebookTwitterPinterestGoogle+LinkedIn

Vigilância em Saúde de São Marcos aguarda resultado de exame para gripe A: ’Não temos nenhum caso confirmado’

Falecimento de paciente, submetido à coleta para verificar vírus H1N1, deixa Secretaria de Saúde em alerta. Resultado do Laboratório Central de Saúde do Estado ainda não foi recebido

Baixa procura pela vacina pode ter aumentado atendimentos relacionados à gripe
Baixa procura pela vacina pode ter aumentado atendimentos relacionados à gripe

Foto: Angelo Batecini/Assessoria de Imprensa da prefeitura

A prevenção contra a gripe A em São Marcos está mobilizando os profissionais de saúde locais. Nesta segunda-feira, dia 2 de julho, um paciente do município faleceu em hospital de Santa Cruz do Sul. Ele estava internado no Hospital São João Bosco, de São Marcos, com sintomas de gripe em estágio agudo, e foi transferido neste domingo (1º), após conseguir vaga em UTI do hospital em Santa Cruz do Sul. Ainda quando estava no município, o médico responsável pelo caso solicitou exames para verificar se o vírus seria o da Gripe A (Influenza), porém o resultado ainda não foi recebido. "Foram solicitados os exames para seguir o protocolo. Se a pessoa está com sintomas crônicos de gripe, o médico sempre deve solicitar os exames. E esse paciente tinha sintomas de gripe", informa a secretária de Saúde de São Marcos, Maristela Lunedo. "Quando o paciente está internado com complicaçoes devido a Sindrome respiratório, o protocolo do Ministério da Saúde define que a Secretaria de Saúde deve ser notificado de imediato para dar início a imvestigação e coleta do material", esclarece, ainda, a secretária.

A enfermeira chefe da Vigilância em Saúde de São Marcos, Bruna Gonçalves, revela que esta foi a primeira coleta do ano para casos de gripe, ressaltando o motivo desta necessidade. "A coleta é feita sempre quando há um quadro de síndrome respiratória aguda grave. E esse paciente era um caso", destaca Bruna. Os exames solicitados pelo médico foram encaminhados ao Lacen (Laboratório Central de Saúde Pública do Rio Grande do Sul), e os resultados devem chegar ao município apenas na próxima semana. Bruna ressalta que até o momento São Marcos não possui casos de gripe A. "Não temos nenhum caso confirmado de gripe A pelo Laboratório do Estado, existe uma investigação que está ocorrendo, mas ainda não temos o resultado", reforça.

A secretária municipal de Saúde ressalta que os cuidados preventivos à gripe devem ser mantidos. "É extremamente importante manter as medidas de proteção de gripe, porque tem muitos tipos de vírus. As pessoas estão deixando de lado esses cuidados e está passando muito de uma pessoa para a outra", pontua Maristela. Confira os cuidados necessários no final desta reportagem.

Baixa procura pela vacina contra a gripe pode ter ocasionado alta nos atendimentos

A percepção é geral, tanto na rede pública como privada a procura por atendimentos relacionados à gripe aumentou em São Marcos em junho. "Estamos percebendo um aumento muito expressivo de doenças respiratórias nos postos de saúde, um volume muito grande de pacientes com doenças respiratórias", ressalta Bruna Gonçalves, enfermeira chefe da Vigilância em Saúde. Já o diretor clínico do Hospital São João Bosco e cardiologista, Gilberto Moschetta, destacou o período do ano como causa destes atendimentos. "Nos meses de inverno sempre há um aumento na ocupação. As infecções respiratórias aumentam. Há desde casos simples atendidos no pronto-socorro até situações mais graves com internação e insuficiência respiratória", relata, informando, contudo, que o fenômeno não é diferente dos outros anos. "Até o momento nada de diferente em relação aos anos anteriores. Sempre há um aumento de mortalidade nas pessoas que já estão com doenças pulmonares ou idade mais avançada", pondera Moschetta. O médico Jorge Butelli, pediatra na rede privada, também observou o aumento nas doenças respiratórias em crianças. "Aumentou em torno de 30% a demanda de atendimentos em relação ao mês de maio", informou, considerando, contudo, que a procura se mantém nos mesmos níveis do inverno de 2017.

`Geralmente as pessoas que vêm procurar com síndrome respiratória não têm vacina`, revela enfermeira Bruna Gonçalves

Iniciada em 23 de abril, a Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza tinha como meta imunizar 90% da população de risco. Em São Marcos, apenas 87% dos grupos prioritários foram atingidos, por isso o prazo final foi adiado e já se estende por mais de um mês além do previsto. Desde o final de junho as doses estão sendo distribuídas também para a população em geral. Porém, a enfermeira Bruna Gonçalves lamenta a baixa procura pela vacina neste ano. "Vacinamos bem menos que no ano passado, a procura de vacinação esse ano foi muito menor. O trabalho das equipes para conseguir atingir a população prioritária foi muito intenso e não conseguimos chegar ao mínimo", informa Bruna, destacando que a vacinação segue acontecendo em todas as unidades de saúde do município.

A vacina protege contra três tipos de vírus da gripe: o Influenza A (H1N1), H3N2 e Influenza B. Por isso tem a possibilidade de reduzir a circulação dos vírus e ocorrência de doenças respiratórias. Bruna ressalta que a baixa taxa de imunização no município pode estar gerando a alta nos atendimentos, já que nem todos os integrantes dos grupos prioritários estão protegidos. "Geralmente as pessoas que vêm procurar com síndrome respiratória não têm vacina", revela. Os grupos mais vulneráveis às doenças virais são gestantes, mulheres que deram a luz há até 45 dias, trabalhadores de saúde, idosos, crianças de 6 meses há 10 anos de idade e professores, porém toda a população já pode procurar a imunização.

`Precisamos retomar os hábitos de 2009`, aponta enfermeira da Vigilância em Saúde

Durante o surto de Gripe A (H1N1), registrado em 2009 em todo o Brasil, houve ação intensa de divulgação de hábitos preventivos ao vírus. Com a redução da incidência de doenças, a população deixou de lado algumas atitudes indispensáveis que devem ser mantidas sempre para evitar a proliferação dos vírus de gripe. Bruna Gonçalves destaca que a primeira coisa que a população deve fazer é verificar se fez a vacina contra a gripe e cita outras ações de prevenção importantes. Leia abaixo:  

- Fazer a higienização frequente das mãos, com água e sabão ou álcool gel.

- Usar lenço descartável para higiene nasal.

- Cobrir o nariz e a boca ao espirrar ou tossir, não utilizando a mão.

- Evitar tocar as mucosas de olho, nariz e boca.

- Não compartilhar talher, prato, copo, garrafas de água.

- Manter os ambientes bem ventilados e abrir as janelas para renovar o ar.

- Doentes devem evitar o contato com outras pessoas.

- Evitar aglomerações em ambientes muito fechados.

- Procurar ter hábitos saudáveis, com alimentação e hidratação.

- Limpar maçanetas e bancadas no comércio.