Polícia em São Marcos   10/08/2018 | 09h51     Atualizado em 10/08/2018 | 10h44

FacebookTwitterPinterestGoogle+LinkedIn

Responsáveis por furto de crânios em cemitério de Criúva vão responder em liberdade

Na tarde desta quinta (9), Polícia Civil localizou em São Marcos ossos que teriam sido furtados de cemitério na Criúva em julho. Seis pessoas estão envolvidas e confessaram a ação, que faz parte da religião Umbanda Luciferiana

Crânios estavam enterrados ao lado da residência, onde há terreiro de rituais religiosos
Crânios estavam enterrados ao lado da residência, onde há terreiro de rituais religiosos

Foto: divulgação Polícia Civil

Na tarde desta quinta-feira, 9 de agosto, a 3ª Delegacia de Polícia de Caxias do Sul, coordenada pelo delegado da unidade e ex-delegado de São Marcos, Luciano Righês Pereira, localizou os crânios que haviam sido furtados do Cemitério de São Jorge da Mulada, em 15 de julho. As investigações estavam acontecendo deste a data de registro da violação das sepulturas e culminou no cumprimento de dois mandados de busca e apreensão em São Marcos.

 

Os quatro crânios foram localizados em residência no bairro Jardim dos Plátanos, sendo que no porão da mesma funcionava um terreiro onde são realizados rituais religiosos. "Os crânios estavam enterrados em um barranco na lateral da casa. É uma casa de dois pisos, sendo que na parte de cima é a casa do pai de santo e na parte de baixo é o terreiro de Umbanda Quimbanda Luciferiana", revela o inspetor Wesllei, da 3ª Delegacia de Polícia de Caxias.

O inspetor conta que foram cumpridos dois mandados relacionados a esta investigação na tarde de ontem, sendo que um deles aconteceu nesta residência e outro na casa do possível motorista que teria ido até a Criúva

na data dos furtos.

 

"Recebemos uma denúncia anônima sobre o cemitério que foi violado em Criúva, e nosso pessoal investigou também câmeras de videomonitoramento e acabou verificando que o carro batia com as identificações da denúncia e que esses objetos do furto foram trazidos para São Marcos. Então uma equipe cumpriu mandado também nessa casa que era do suposto motorista de um Celta branco que foi até a Criúva", detalha o inspetor.

Responsáveis pelo furto indicaram localização dos crânios à Polícia: `Dizem que cumpriram o que a entidade da religião pediu`

No momento em que a Polícia chegou na residência onde foram encontrados os ossos não havia ninguém no local. Assim, foram acionados os suspeitos, que compareceram no local e confessaram a autoria do furto. "Na casa não tinha ninguém, então tentamos acionar eles para irem até o local do terreiro para abrir para nós. Eles foram a pedido da polícia, porque estávamos com mandado para cumprir. Chegou o pai de santo, e depois outras cinco pessoas, frequentadores do terreiro. No total são seis pessoas envolvidas, que foram até o cemitério naquele dia para se darem suporte. Todas confirmaram que tinham ido lá buscar os crânios, já está confessado", ressalta o inspetor Wesllei, destacando que foi possível localizar os crânios porque todos que estavam presentes colaboraram com a ação da polícia. "Todos eles colaboraram, depois que chegamos na casa, conversamos e eles colaboraram conosco. Confessaram e indicaram onde estavam os ossos", informa.

De acordo com informações da Polícia, o pai de santo, líder dos rituais, não é natural de São Marcos, mas já residia no município há alguns anos. O inspetor explica que as pessoas envolvidas justificam a ação através da religião. "Para eles é natural por causa da religião, eles falaram que não agiram por si próprios, mas porque recebem uma entidade nas sessões, e ela pede para eles fazerem isso. Dizem que cumpriram o que a entidade da religião pediu. Isso não é comum, mas para eles foi uma coisa normal", comenta o inspetor. No momento da ação os indivíduos foram encaminhados à Delegacia de Polícia Civil de São Marcos para serem ouvidos e, após, foram liberados. Os ossos serão analisados pela perícia para verificar a qual família pertencem e poderão ser devolvidos aos familiares. As investigações seguem sob responsabilidade da 3ª Delegacia de Polícia de Caxias do Sul.