Obras na cidade   14/11/2018 | 09h30     Atualizado em 14/11/2018 | 10h56

FacebookTwitterPinterestGoogle+LinkedIn

Ampliação de galeria na Rua José de Alencar: caminhão de coleta de lixo cai em buraco de obra

Caminhão de coleta de lixo caiu em buraco no centro de São Marcos nesta quarta-feira (14). Secretário de Obras explica que no local houve rompimento de cano e o terreno cedeu com o peso do veículo

Caminhão fazia coleta do lixo no centro da cidade quando caiu em buraco de obras para canalização
Caminhão fazia coleta do lixo no centro da cidade quando caiu em buraco de obras para canalização

Foto: arquivo pessoal

Na madrugada desta quarta-feira, 14 de novembro, caminhão de coleta de lixo caiu em buraco de obra da prefeitura, na Rua José de Alencar. Por volta das 5h30 uma equipe da empresa Eco Verde fazia seus trabalhos no centro da cidade quando a traseira, ao lado direito, caiu no buraco. Um dos garis acabou ficando com ferimentos leves e passa por exames nesta manhã. O veículo precisou ser retirado com apoio de guincho e escavadeira. 

De acordo com o secretário municipal de Obras, Alfredo Brochetto, na última sexta-feira (9) a prefeitura realizou sondagem para ampliação de galeria, por isso abriu e fechou o buraco no local, porém, explica que foi o rompimento de um cano da Corsan que teria amolecido a terra e causado a queda do caminhão. "Abrimos no final da semana passada para sondar, e ver o que seria feito para não alagar nesse lugar. Mas ali estourou cano da água da Corsan que passa a adutora, eles concertaram, mas não ficou certo e teve um vazamento, então amoleceu", justifica Alfredo que, porém, observa que o acidente foi causado por imprudência."O caminhão praticamente caiu dentro da boca de lobo, que é fora de rua, é bem na beiradinha. Então com o vazamento, amoleceu, mas 90% é imprudência do motorista", critica.

Alfredo esclarece que o buraco foi aberto apenas para fazer a sondagem e a canalização não foi feita no mesmo momento para que o centro da cidade não tivesse mais um acesso interrompido. "Como a Avenida está interditada por causa do asfalto, se trancasse lá em baixo também ia ficar com a cidade sem acesso da BR", explica. O secretário de Planejamento Andrigo Biasotto, ressalta que durante o último temporal, no dia 31 de outubro, verificou-se que que a canalização não seria suficiente para dar vazão em caso de chuvas maiores, por isso será necessária a obra no local. "Com a chuva de outubro tivemos um probleminha, mas não teve alagamento. Sentimos que se vier uma chuva muito mais forte vamos ter que fazer outra extensão lá em baixo, para ligar na galeria do Boff. Então, como ainda está em tempo, no início da semana que vem vamos mexer lá", detalha Andrigo.

 

Ele explica que quando foram realizadas as obras de canalização na Rua XV de Novembro pela prefeitura neste ano, a ampliação da canalização aconteceu somente até a equina da Pracinha do Boff. "Não tinha sido colocado cano ali, foi colocado só até a esquina. E agora vai ser da esquina até a galeria que tem mais pra frente. Tem a velha, mas a ideia é ligar um cano maior, de 1,50m, com a galeria do Boff, que tem mais frente de 2m x 2m", detalha.

’Essa noite teve vazamento maior e o primeiro caminhão que passou caiu’, explica secretário do Planejamento

Andrigo ressalta que o buraco cedeu apenas devido ao vazamento, e que o mesmo havia sido fechado da forma correta. "O buraco estava fechando desde semana passada, e muitos caminhões já tinham passado por ali, mas essa noite teve vazamento maior e o primeiro caminhão que passou caiu", observa. Alfredo Brochetto comenta, ainda, que a canalização neste local será uma obra complicada. "Vamos ter um problema bem sério, porque passa adutora, fibra ótica, e se romper São Marcos pode ficar meses sem internet. Mas precisa ser feito", ressalta, destacando que a comunidade precisa compreender a complexidade das obras do asfaltamento e canalizações. "O pessoal nunca vê obras na cidade, então o que fizer agora eles vão achar problema. Era mais fácil botar o asfalto em cima e deu, mas tem uma infraestrutura toda para fazer", destaca Alfredo Brochetto.