Polícia em São Marcos   01/08/2017 | 09h43     Atualizado em 01/08/2017 | 11h39

FacebookTwitterPinterestGoogle+LinkedIn

Idoso atropelado na madrugada de domingo (30) é encaminhado para hospital de Erechim

Vítima não possuía família em São Marcos e foi transferida para hospital próximo da filha, que reside em Tapejara. Ele sofreu escoriações em várias partes do corpo e teve a perna esquerda e duas costelas quebradas

Vítima foi socorrida pelo Samu e, na tarde de domingo (30), encaminhado a Erechim
Vítima foi socorrida pelo Samu e, na tarde de domingo (30), encaminhado a Erechim
Foto: apenas ilustrativa

Na madrugada deste sábado, dia 30 de julho, por volta das 3h40, um idoso foi atropelado na BR 116, próximo à Linha Edith, em São Marcos. De acordo com informações da Polícia Rodoviária Federal, o homem de 62 anos estaria atravessando a rodovia em uma curva e não visualizou o veículo. Ele estava saindo de uma festa e foi atingido por um veículo Fiat Fiorino, de São Marcos, que trafegava no sentido Vacaria a São Marcos e estaria saindo da mesma festa. Não há confirmação de que o idoso estivesse alcoolizado. A vítima sofreu lesões graves, quebrou a perna esquerda, duas costelas e teve escoriações pelo corpo. Ele foi atendido pela Samu e encaminhado ao Hospital Beneficente São João Bosco, onde permaneceu internado até a tarde de domingo (30), quando foi transferido para hospital em Erechim.

 

De acordo com informações de uma leitora do L’Attualità, ela teria conhecido o idoso no baile de casais da Linha Edith, que aconteceu no sábado à noite (29), e soube que ele não possui família em São Marcos. “Eu conheci ele no sábado de noite. Ele não tem família aqui, não tem casa, dorme em um galpão velho na Linha Rosita. Pedi para ele sobre a família e ele disse que tinha uma filha que morava em Tapejara”, informa. O Hospital São João Bosco entrou em contato com a filha, que pediu para que o pai fosse transferido para algum hospital mais próximo. No domingo, por volta das 15h, a ambulância o levou para Erechim, acompanhado de uma técnica de enfermagem.

 

Ainda de acordo com a testemunha, quando o idoso saiu do baile ele estava alcoolizado, mas ainda consciente. “Ele estava um pouco bêbado, mas não era tudo aquilo. Ele nos disse que sempre saia a pé. Estava bem feliz lá na Linha Edith e foi muito simpático, quando acabou o baile nós saímos e batemos uma ‘selfie’ com ele. Dava para notar que estava alcoolizado, mas consciente”, relata, torcendo pela recuperação da vítima. “Só nos resta rezar para que ele se recupere”, reforça a são-marquense ouvida pelo L’Attualità.

Comentários

Carregar mais comentários Comentar notícia