Insegurança   09/08/2017 | 21h51     Atualizado em 09/08/2017 | 22h05

FacebookTwitterPinterestGoogle+LinkedIn

Assaltantes furtaram dois flashes de R$ 4 mil e câmara fotográfica do Studio Rosi em São Marcos

Proprietária localizou demais equipamentos no começo da tarde: ’As máquinas grandes eles não conseguiram passar pelas grades’

Estúdio fotográfico foi alvo de bandidos na madrugada desta quarta (9)
Estúdio fotográfico foi alvo de bandidos na madrugada desta quarta (9)

Dos males o menor. O assalto cometido no Studio Fotográfico Rosi na madrugada desta quarta-feira (9), em São Marcos, ocasionou prejuízo, mas no começo da tarde a proprietária teve boas notícias. "As máquinas fotográficas grandes que eu uso para trabalhar, e que eu pensei que também tinham levado, eles acabaram não levando, porque não conseguiram passar pelas grades e deixaram no chão com um monte de coisa em cima. Já estava pensando em comprar uma para poder trabalhar, porque não ia ter uma máquina para bater foto, mas por volta das 13h30, quando retornei ao estúdio, encontrei as duas máquinas no meio dos entulhos", relatou a fotógrafa Rosi Chemello ao L’Attualità. Seu estúdio - localizado na Rua Padre Feijó, centro da cidade - é um dos mais antigos de São Marcos e até então nunca havia sido assaltado. "Tenho o estúdio há 30 anos. Mas fotografo há mais tempo, porque trabalhei uns 8 anos com o Catelli", lembra Rosi.

 

Conforme a proprietária, os assaltantes levaram dois flashes profissionais avaliados em R$ 4 mil cada, mais uma câmara. "O maior prejuízo foram mesmo os flashes. A câmara profissional que eles levaram era uma bem antiga que estava ali mais para ’quebrar um galho’", revelou. Ela disse que o estúdio não chegou a ser arrombado. "Eles quebraram um cadeado, abriram o vidro, arrombaram a porta onde guardava o equipamento e foram passando os objetos pela grade. Por isso que não levaram as câmaras grandes, porque elas não passaram pela grade", explicou. Ela recorda que em outra ocasião seu estúdio havia sido alvo de uma tentativa de furto. "Tempo atrás quebraram o vidro e acionou o alarme, mas hoje não acionou nada, acho que eles cortaram", comentou.

Proprietária não quis registrar ocorrência: ’Disseram que não valia a pena tirar as digitais’

O furto ao Studio Fotográfico Rosi foi flagrado no começo da manhã desta quarta-feira (9) pela empregada doméstica de Rosi. Conforme apurado pelo L’Attualità, a funcionária, quando ia para o trabalho, ao passar em frente ao estúdio, percebeu que a sala havia sido invadida e comunicou a Brigada Militar. "Eu olhei para dentro da vitrine e pensei que estivessem fazendo mudança no estúdio, mas depois eu vi pedaços da grade e da fechadura no chão e percebi que era arrombamento, eles levaram a máquina fotográfica", relatou. Contudo, Rosi preferiu não fazer o registro policial da ocorrência. "Não botei a mão em nada para tirarem as digitais, mas eles disseram que não valia a pena porque é R$ 50 mil para fazer perícia. Então vou registrar pra quê se eles não podem me ajudar em nada?", questionou a são-marquense.

Comentários

Carregar mais comentários Comentar notícia